Este é um lindo trecho da Chāndogyopaniṣat que expõe de uma maneira muito linda a tradicional visão do Universo na forma de Vaiśvānara, o Homem Cósmico. Nele se faz uma clara descrição, muito poética por sinal, dos misteriosos sete membros de Vaiśvānara, mencionados na Māṇḍukyoaniṣat mas sobre a qual esta obra não diz nada. Desfrutem!

 

 

Brahman como o Homem Cósmico.

 

Parte Cinco, Capítulo XI — Sobre o Ser Universal.

Pracinasala, filho de Upamanyu, Satyayajña, filho de Puluśa, Indradyumna, neto de Bhallavi, Jana filho de Sarkarakṣa e Budila, filho de Aśvataraśva — grandes homens de família e afamados eruditos — se reuniram e discutiram sobre a questão: “O que é o Ser, e o que é Brahman?” || 1 ||

Resolveram o tema com as seguintes palavras: “Veneráveis senhores, Uddālaka, filho de Aruṇa, conhece Vaiśvānara. Vamos até ele”. E foram até ele. || 2 ||

Ele (Uddālaka) pensou: “Estes grandes homens de família e eruditos irão me inquirir. Talvez eu não deveria revelar tudo aquilo que sei a eles, mas encaminhá-los a outro professor”. || 3 ||

E lhes disse: “Veneráveis senhores, o rei Aśvapati, filho de Kekaya, conhece Vaiśvānara, de fato. Vamos todos juntos até ele”. E foram até ele. || 4 ||

Quando chegaram, o rei ordenou que fossem apresentados os devidos respeitos a cada um deles. Na manhã seguinte, após acordar, disse a eles: “No meu reino não há ladrões, nem sófregos, nem bebedores, nem pessoas que não mantenham um fogo sagrado, nem ignorantes, nem adúlteros nem adúlteras. Veneráveis senhores, vou realizar um yājña (ritual do fogo). Lhes darei tantas riquezas como irei distribuir entre os sacerdotes oficiantes. Por favor, veneráveis senhores, fiquem aqui”. || 5 ||

Eles disseram: “Se uma pessoa vai até outra com um propósito, deve se ater a conversar com ela apenas sobre isso. De fato, você conhece Vaiśvānara. Por favor, instrua-nos sobre Ele”. || 6 ||

Ele respondeu a eles: “Irei lhes responder amanhã pela manhã”. Na manhã seguinte eles se aproximaram dele com os gravetos sacrificais nas mãos. Sem fazer quaisquer ritos iniciáticos, o rei disse a eles: || 7 ||

 

Capítulo XII — A Cabeça de Vaiśvānara.

“Ó filho de Upamanyu, sobre que Ser você medita?” Ele respondeu: “Apenas sobre o Céu, venerável rei”. “O Ser sobre quem você medita”, disse o rei, “é Vaiśvānara, a soma de todos os seres do universo, chamado Sutejas (Boa Luz).
|| 1 ||

“Vejo que em sua linhagem familiar o soma é extraído pela libação suta, bem como pela prasuta, abundantemente, e pela asuta, de maneira continuada (suta, prasuta e asuta são formas de extrair soma). Você se alimenta (com o soma, i.e., com o conhecimento) e percebe o que é agradável. Aquele que meditar desta maneira sobre Vaiśvānara enquanto se alimenta e perceber assim o que é agradável, terá em sua família a glória de Brahman. Isso, no entanto, é somente a cabeça do Ser. Certamente, a sua própria cabeça teria caído se você não tivesse vindo até mim”. || 2 ||

 

Capítulo XIII — O Olhar de Vaiśvānara.

Depois, ele se dirigiu a Satyayājña, filho de Puluśa: “Ó Prachinayogya, sobre que Ser você medita?” Ele respondeu: “Apenas sobre o Sol, venerável rei”. “O Ser sobre quem você medita”, disse o rei, “é Vaiśvānara, chamado Viśvarūpa (Forma Universal). Na sua linhagem familiar há muitos objetos de tipos diferentes (objetivos que foram alcançados através das ações). || 1 ||

Para você, está pronta uma carruagem puxada por mulas, com donzelas, bem como um colar. Você se alimenta (com o soma, i.e., com o conhecimento) e percebe o que é agradável. Aquele que meditar desta maneira sobre Vaiśvānara enquanto ingere alimento, e perceber assim o que é agradável, terá em sua família a glória de Brahman. Isso, no entanto, é apenas o olhar do Ser. Certamente, você teria ficado cego se não tivesse vindo até mim”. || 2 ||

 

Capítulo XIV — O Prāṇa de Vaiśvānara.

Depois, dirigiu-se a Indradyumna, o neto de Bhallavi: “Ó Bhallavi, ó Vaiyāghrapadya, sobre que Ser você medita?” E ele respondeu: “ Apenas sobre o ar, venerável rei”. “O Ser sobre quem você medita”, disse o rei, “é Vaiśvānara, chamado Pṛthagvartmā (de variados caminhos). || 1 ||

“Assim, presentes vem para você de variadas direções. Carruagens vem até você por diferentes caminhos. Você ingere o alimento e percebe o que é agradável. Aquele que meditar desta maneira sobre Vaiśvānara enquanto come e perceber assim o que é agradável, terá em sua família a glória de Brahman. Isso, no entanto, é apenas o prāṇa do Ser. Certamente, seu próprio prāṇa teria lhe abandonado se você não tivesse vindo até mim”, o rei disse. || 2 ||

 

Capítulo XV — O Tronco de Vaiśvānara.

Depois ele perguntou a Jana, filho de Sarkarakṣa: “Sobre que Ser você medita?” “Apenas sobre o espaço, venerável rei”, ele respondeu. “O Ser sobre quem você medita”, disse o rei, “é Vaiśvānara, chamado Bahula (Vasto). Assim, você é magnânimo, possui progênie e abundância”. || 1 || 

“Você ingere o alimento e percebe o que é agradável. Aquele que meditar desta maneira sobre Vaiśvānara enquanto ingere seu alimento, e perceber assim o que é agradável, terá em sua família a glória de Brahman. Isso, no entanto, é apenas o tronco do Ser. Certamente, seu tronco teria sido destruído se você não tivesse vindo até mim”, disse o rei. || 2 ||

 

Capítulo XVI — A Bexiga de Vaiśvānara.

Depois, ele disse a Budila, filho de Aśvatarāśva: “Ó Vaiyaghrapādya, “Sobre que Ser você medita?” Ele respondeu: “Apenas sobre as águas, venerável rei”. “O Ser sobre quem você medita”, disse o rei, “é Vaiśvānara, chamado Rayi (Abundância) e identificado com a prosperidade. Assim, você é próspero e sua riqueza medra”. || 1 ||

“Você ingere o alimento e percebe o que é agradável. Aquele que meditar desta maneira sobre Vaiśvānara enquanto se alimenta e perceber assim o que é agradável, terá em sua família a glória de Brahman. Isso, no entanto, é apenas a bexiga do Ser. Certamente, a sua própria bexiga teria explodido se você não tivesse vindo até mim”, disse o rei. || 2 ||

 

Capítulo XVII — As Pernas de Vaiśvānara.

Depois ele disse a Uddālaka, filho de Aruṇa: “Ó Gautama, sobre que Ser você medita?” E ele respondeu: “Apenas sobre a terra, venerável rei”. E o rei lhe disse: “O Ser sobre quem você medita é Vaiśvānara, chamado Pratiṣṭha (Suporte). Assim, você está bem estabelecido, com progênie e gado”. || 1 ||

“Você ingere o alimento e percebe o que é agradável. Aquele que meditar desta maneira sobre Vaiśvānara enquanto come e perceber assim o que é agradável, terá em sua família a glória de Brahman. Isso, no entanto, é somente o órgão de locomoção do Ser. Certamente, suas próprias pernas teriam colapsado se você não tivesse vindo até mim”, disse o rei. || 2 ||

 

Capítulo XVIII —Vaiśvānara como o Todo.

Depois o rei disse a todos eles: “Estando vocês dotados de conhecimento limitado, comam seu alimento, conhecendo Vaiśvānara como muitas (manifestações). Porém, aquele que adorar Vaiśvānara como a medida do espaço entre a terra e o céu, e como sendo idêntico ao ser individual, Ātma, esse irá tomar seu alimento através de todas as criaturas, em todos os lugares e por de todos os elementos. || 1 ||

“Deste Vaiśvānara, a cabeça é Sutejas, a Boa Luz, o olhar é Viśvarūpa, a Forma Universal, o prāṇa Prithagvartma, de Variados Caminhos, o tronco Bahula, a Prosperidade, a bexiga Rayi, a Riqueza, os pés Pṛthivī, a Terra, o tronco o Vedi (Altar), o cabelo a erva kuśa sobre o altar, o coração o fogo garhapatya, a mente o fogo anvaharya e a boca o fogo ahavaṇīya”. || 2 ||

 

Leia também

  • A Arte do Arco-e-Flecha e a Arte de Reduzir o Karma Através do Yoga

    Reduzir o Karma através da arte do arco-e-flecha: Os sábios antigos do Yoga e Vedanta usaram a metáfora do arco-e-flecha como uma ferramenta para ensinar como reduzir o Karma através do processo de meditação do Yoga


    Swami Jñaneshvara Bharati
  • Avidya e Maya

    Daqui podemos constatar que esta avidya não é simples ignorância. Avidya é capaz de produzir, de criar. Assim, dizemos que avidya tem dois poderes, avarana sakti e vikshepa sakti. Um poder que encobre e outro que projecta. É um poder e por isso não podemos reduzir ao significado comum da palavra ignorância.  


    Miguel Homem
    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo