Bhastrikā, em sânscrito, significa fole. O nome provém da comparação entre o movimento do abdômen durante a respiração acelerada e o de um fole funcionando.

Esse respiratório ocupa um lugar muito importante dentro do Yoga. Produz uma oxigenação muito mais intensa que todos os outros, limpa os pulmões e as vias respiratórias e é altamente energizante e vitalizante, podendo eliminar o cansaço e a depressão em poucos instantes.

O bhastrikā é um exercício que também pode utilizar-se associado à permanência nos āsanas, para acentuar os seus efeitos. Sugere-se usá-lo nas posições que permitam uma permanência mais prolongada, como anteflexões, torções ou ainda exercícios musculares.

Sentado na postura da sua preferência com as costas eretas, faça por alguns instantes a respiração abdominal. Aos poucos, comece a acelerar o ritmo, contraindo ao máximo o abdômen a cada exalação. Isso deve produzir um ruído bem alto e forte. A inspiração acontece espontaneamente, quando o diafragma e o ventre se expandem.

Ao exalar, o diafragma se eleva e a musculatura reta abdominal se contrai vigorosa e rapidamente. Ao inspirar, o abdômen se projeta para fora. Ao exalar, ele se contrai com força.

Você poderá fazer vários ciclos desse respiratório, contando o número de exalações. No início serão algumas dezenas, que você irá progressivamente aumentando até vários centenares.

Após um certo tempo de prática, quando houver eliminado aqueles sinais de desconforto decorrentes do exercício (no início poderá sentir desconforto ou até algumas pequenas dores musculares nos flancos, na região abdominal ou nas costas), você conseguirá aumentar ainda mais a duração de cada ciclo.

É aconselhável fazer uma retenção com pulmões cheios combinada com bandha no final de cada ciclo de bhastrikā. Durante as primeiras vezes que o fizer, a fim de fortalecer e treinar a sua capacidade vital, sugerimos que você faça o kūmbhaka juntamente com jīhvabandha (contração da língua no céu da boca) e aśvinīmudrā (contração ritmada dos esfíncteres do ânus e da uretra).

Quando começar a fazer retenções prolongadas, utilize o jalāndharabandha, a suave compressão do queixo em direção ao tórax, combinado com mūlabandha, a ativação do assoalho pélvico.

"O bhastrikā prāṇāyāma seguido de um kūmbhaka, uma retenção da respiração com os pulmões cheios, é  praticado especificamente para ativar a força kuṇḍaliṇī. De onde pode o medo da morte surgir ao yogi que realiza tapas (esforço sobre si próprio) e pratica diariamente com regularidade?" Haṭhayoga Pradīpikā, III:122.

Preste atenção para não contrair a musculatura da fisionomia nem movimentar os ombros durante o exercício.

Efeitos: fortalece a parede abdominal, aumenta a circulação sangüínea e tonifica o sistema nervoso.

Normaliza as funções dos aparelhos digestivo e excretor. Oxigena todo o organismo e revitaliza os tecidos.

No plano sutil, provoca um aumento relevante da consciência de si próprio e da força de vontade.

Contraindicações: evite praticar este prāṇāyāma se tiver alguma cardiopatia, hipertensão arterial, glaucoma ou estiver com gripe ou enxaqueca. Igualmente, esta prática deve ser evitada durante a gravidez. Namaste. 

Leia também

  • Múrcchá pránáyáma

    Múrcchá significa desvanecimento, vertigem ou ainda expandir, penetrar, ocupar. O nome tem a ver com expansão da consciência e assimilação do prána.


    Pedro Kupfer
  • Anuloma pránáyáma

    Este pránáyáma se faz inspirando pelas duas narinas e exalando de forma alternada, uma vez por cada narina. O nome significa encadeado, conectado, que está de acordo com a ordem natural.


    Pedro Kupfer
    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. Murillo

    Gratidão pela partilha organizada!
    Responder


  2. marcial

    Ola Marcelo Kilca se vc puder me enviar esse material eu agradeço muito... omar_cial@hotmail.com
    Responder


  3. Marcelo Kilca

    Saudações Fraternas Caro Pedro Kupfer

    Meu nome é Marcelo Kilca. Desde o dia 14/02, aproximadamente, sinto uma inexplicável vontade de fazer exercícios respiratórios. Aliás, sempre tive este interesse, porém, agora a vontade aumentou tremendamente. Procurei informações no YOUTUBE. Nada me chamou a atenção. Ao pesquisar no Dreamule, no entanto, encontrei material (Parte 1 e 2) que achei muito interessante. Inclusive posso enviar para você o material. Trata-se de aulas de respiração (pranayam) ministradas por PARAMPUJYA SWAMI RAMDEV JI MAHARAJ (até então nunca tinha ouvido falar dele!). Hoje, dia 22/02 fiz 02 exercícios após minha prática diária de Tai Chi Chuan Pa kua. Realizei BHASTRIKÁ e KAPALBHATI pramayama. O primeiro por 2 minutos e o segundo por 5 minutos, conforme Swami Maharaj explicou. Resultado: após os exercícios senti grande sensação de bem estar. Minha noiva percebeu que eu estava cheirando mal, como se eu estivesse suado bastante. Então, procurei material para conhecer melhor a técnica. Encontrei este sítio. Surgiram as seguintes dúvidas a respeito da BASTRIKÁ provenientes da leitura do texto infra transcrito: BHASTRIKÁ PRÁNÁYÁMA http://www.yoga.pro.br/artigos/309/3030/bhastrika-pranayama Sentado no dhyánásana da sua escolha, com as costas bem eretas, faça por alguns instantes a respiração abdominal. Aos poucos, comece a acelerar o ritmo, contraindo ao máximo o abdômen a cada exalação. Isso deve produzir um ruído bem alto e forte. A inspiração acontece espontaneamente, quando o diafragma e o ventre se expandem. MK: durante a explicação dos exercícios, Swami Maharaj não destaca a questão de acelerar o ritmo. Você poderá fazer vários ciclos desse respiratório, contando o número de exalações. No início serão algumas dezenas, que você irá progressivamente aumentando até vários centenares. MK: Swami Maharaj enfatiza que deve ser feito 2 min. no mínimo e no máximo 5 min. do exercício apenas 1 vez ao dia. aconselhável fazer uma retenção com pulmões cheios combinada com bandha no final de cada ciclo de bhastriká. Durante as primeiras vezes que o fizer, a fim de fortalecer e treinar a sua capacidade vital, sugerimos que você faça o kúmbhaka juntamente com jihva bandha (contração da língua no céu da boca) e ashwiní mudrá (contração ritmada dos esfíncteres do ânus e da uretra). Quando começar a fazer retenções prolongadas, utilize o jalándhara bandha (contração do queixo no tórax) combinado com múla bandha (contração dos esfíncteres). MK: tais detalhes eu já conhecia, todavia, Swami Maharaj não aprofundou a este nível a explicação. Preste atenção para não contrair a musculatura da fisionomia nem movimentar os ombros durante o exercício. MK: observa-se claramente que Swami Maharaj parece movimentar os ombros durante o exercício ou eu percebi errado.


    Responder