Ujjāyī significa vitorioso. Deriva da raiz ujji, conquistar. Embora seja descrita aqui como uma técnica específica de prāṇāyāma, este tipo de respiração pode acontecer espontaneamente em experiências de concentração e meditação.

A técnica é muito simples. Sente-se em qualquer posição de meditação, com as costas eretas, porém descontraídas. Coloque as mãos em jñāna mudrā e, com os olhos fechados, comece a fazer a respiração completa, ativando levemente a glote e fazendo com que o ar flua com uma leve pressão.

Se tiver dificuldades para compreender esta instrução, faça o seguinte: inspire pelas narinas lentamente e depois expire pela boca, como se você estivesse sussurrando. No meio da expiração, feche os lábios e continue produzindo esse som. Constate que o sussurro nasce na garganta e não nas narinas.

Repita isto algumas vezes até conseguir fluir ndessa maneira na respiração, mantendo ao mesmo tempo a ativação. Depois, faça o mesmo com a boca fechada, a cada expiração, por mais alguns ciclos. A continuação, aplique a mesma ativação ao longo de cada inspiração também. 

 

Essa ativação deve produzir um som suave e contínuo, baixo e uniforme como um sussurro. Sinta o ar como se estivesse entrando diretamente pela garganta. Acrescente o ritmo da sua preferência e faça vários ciclos, evitando sempre produzir uma fricção excessiva nas vias respiratórias.

Efeitos: aumenta a temperatura e o calor corporal, normaliza o funcionamento da glândula tireóide e do sistema endócrino, protege contra doenças e estimula as funções intelectuais.

Contra-indicações: evite este prāṇāyāma em caso de hipertensão arterial. 

Leia também

  • Pratiloma pránáyáma

    Pratiloma significa oposto. É feito exatamente ao contrário do anuloma, com a inspiração alternada e a expiração por ambas narinas.


    Pedro Kupfer
  • Aprofundando-se na prática: integrando corpo, respiração e mente

    Para fazer de sua prática diária de Yoga uma prática cada vez mais consciente e conectada à realidade do corpomente, é necessário trilhar o caminho que liga o corpo ao prana e à concentração


    Ciro Castro
    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo