Este respiratório ativa a narina de polaridade negativa, ida nadi, simbolizada pela imagem da lua, e associada à cor azul, à introspeção e à feminilidade. Esta narina transporta e distribui o prana de polaridade negativa, chamado apana, que tem como função controlar todos os processos de eliminação, tanto em nível físico quanto em nível energético e psíquico. O canal energético chamado ida nadi começa no muladhara, chakra básico, e ascende até a narina de polaridade negativa, a esquerda.


Chandra, deus vêdico que personifica a energia da Lua

Modo de proceder.

Usando o jñana mudra, tampe a narina solar, para que a respiração possa circular livremente pela narina lunar.

Inspire de forma controlada e vagarosa pela narina de polaridade negativa. Retenha o ar nos pulmões e exale a continuação pela mesma.

Assim como no surya pranayama, temos aqui mais duas alternativas de execução deste pranayama:

?    inspire pela narina esquerda, retenha, exale pela outra e volte a inalar pela primeira, ou ainda:

?    inspire pela narina esquerda, retenha e exale lentamente pela boca.

Na medida do possível, desenvolva o chandra pranayama com ritmo e bandhas.

Efeitos: é tranqüilizante, sedativo e refrescante.

 

    COMENTÁRIOS

    Comentar artigo

  1. Regna

    Acordo todos os dias com minha arina esquerad entupida e com dor de cabeça. Há alguma explicação?
    Responder


  2. Luiz Carlos

    É dito no Dakshina Tantra que nosso lado direito é positivo ou solar e o lado esquerdo feminino ou lunar, porque todos temos características masculinas (agressividade, assertividade, objetividade, lógica, simplicidade e outras) e femininas (romantismo, devaneios, família, maternidade, pensamento holístico e outros). Quando estamos com nossas características masculinas exarcebadas, e só então, devemos praticar chandra pranayama, pois, de outra maneira, estaríamos estimulando ainda mais as características femininas de nossa personalidade. A mesma lógica serve para o surya pranayama, ou solar.
    Responder